Publicidade

Exportações do agro mineiro batem novo recorde no período de janeiro a abril

Desempenho das vendas externas do setor, no primeiro quadrimestre de 2024, foi o melhor da série histórica para o intervalo, com US$ 5 bilhões

24/05/2024 às 12h54 Atualizada em 24/05/2024 às 12h55
Por: Redação Fonte: Secom Minas Gerais
Compartilhe:
Diego Vargas / Seapa
Diego Vargas / Seapa

As exportações mineiras do agronegócio somaram US$ 5 bilhões nos meses de janeiro a abril deste ano. O valor é recorde para o período e 13% maior do que o montante alcançado no primeiro quadrimestre de 2023.

O volume comercializado para o exterior atingiu 5,2 milhões de toneladas, com acréscimo de 16,2% em comparação ao mesmo intervalo do ano passado.

O setor respondeu por 37,4% das vendas internacionais de Minas. Dentre os 155 diferentes países compradores, os destinos mais frequentes foram a China (US$ 1,4 bilhão), Estados Unidos (US$ 533,1 milhões), Alemanha (US$ 389 milhões), Bélgica (US$ 242 milhões) e Itália (US$ 226 milhões).

“O bom desempenho é justificado pela valorização do café no mercado externo, além do aumento nos embarques de produtos relevantes, como os complexos soja e sucroalcooleiro e as carnes”, avalia a assessora técnica da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) , Manoela Teixeira.

Principais produtos

As exportações de café representaram 45,4% do total mineiro no setor agropecuário.

Em comparação aos quatro primeiros meses de 2023, houve acréscimos de 32% no valor e 36% no volume, alcançando US$ 2,3 bilhões e 10,4 milhões de sacas, respectivamente.

O complexo sucroalcooleiro contabilizou US$ 554 milhões e 1,1 milhão de toneladas comercializadas, com alta de 77,4% na receita e 57% no volume.

As carnes faturaram US$ 439 milhões, com 141 mil toneladas, correspondendo a 9% das vendas internacionais do setor agropecuário de Minas.

Já as exportações do complexo soja alcançaram US$ 1,2 bilhão, com queda de 16% no faturamento, devido à baixa do preço da commodity no mercado internacional e à diminuição das compras chinesas e tailandesas.

Por sua vez, o volume embarcado registrou crescimento de 8%, chegando 2,6 milhões de toneladas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários