Publicidade

Goiás é o quarto maior produtor de grãos do país; Rio Verde e Jataí se destacam no cenário

Estado está atrás apenas do Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul; produção goiana de arroz se destaca, com previsão de crescimento de mais de 17%; dados são do IBGE

14/06/2024 às 01h26
Por: SITE
Compartilhe:
Goiás é quarto maior produtor de grãos do Brasil, com destaques na produção de arroz, soja, milho e sorgo – Fotos: Divulgação/SEAPA
Goiás é quarto maior produtor de grãos do Brasil, com destaques na produção de arroz, soja, milho e sorgo – Fotos: Divulgação/SEAPA

REDAÇÃO

O estado de Goiás consolidou sua posição como o quarto maior produtor de grãos do país, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quinta-feira (13/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa aponta uma produção de 31,4 milhões de toneladas para a safra 2023/2024, o que corresponde a 10,6% da produção nacional e deixa Goiás atrás apenas de Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul. 

"Esses resultados são fruto do trabalho incansável dos produtores goianos e do apoio fundamental do Governo do Estado, que tem investido em infraestrutura, tecnologia e assistência técnica para fortalecer o setor", afirma o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás, Pedro Leonardo Rezende. 

O destaque da safra goiana é a estimativa de crescimento de 17,7% na produção de arroz. Com a previsão de aumento de 23,2% da área plantada (23,5 mil hectares), a expectativa de colheita também cresce para 110,8 mil toneladas, levando o estado à oitava posição no ranking nacional de produção do grão. 

"É importante ressaltar que esses números positivos foram alcançados mesmo diante dos desafios climáticos enfrentados em 2023 e 2024, com a falta de chuvas e altas temperaturas que afetaram a produtividade em algumas regiões do estado. Isso demonstra a resiliência e a capacidade de adaptação do setor produtivo goiano", completa o secretário.

Analisando por região, o Centro-Oeste se destaca como líder na produção de grãos, com uma participação expressiva de 47%. Em seguida, vêm o Sul (29,2%), Sudeste (9,4%), Nordeste (8,7%) e Norte (5,7%).

Quanto à produção específica de Goiás, o IBGE estima que em março de 2024 o Estado tenha produzido cerca de 30,45 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas, o que representa uma queda de 7,5% em relação ao ano anterior, quando foram produzidas 32,91 milhões de toneladas. Apesar da redução na produção, a área a ser colhida aumentou em 0,9%, totalizando 7,25 milhões de hectares, um acréscimo de 62,5 mil hectares em comparação com 2023.

Destaca-se que o milho, o sorgo e a soja continuam sendo as culturas predominantes em Goiás, representando juntos 97,8% da estimativa da produção e 96,7% da área a ser colhida. No entanto, houve uma queda nas produções dessas culturas em relação ao ano anterior, com reduções de 3,9%, 11,3% e 10,1%, respectivamente.

Estoque recorde

O LSPA também revelou que o estoque de grãos em Goiás atingiu o maior patamar da série histórica para um segundo semestre de 2023, com 3,23 milhões de toneladas armazenadas, um aumento de 24,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. O crescimento se deve, principalmente, ao aumento do estoque de milho em grãos (33,1%), que também registrou o maior volume da série histórica para um segundo semestre.

 

Os municípios de Rio Verde e Jataí se destacam nesse cenário, ocupando, respectivamente, a 8ª e a 14ª posição no ranking nacional de estoques. Rio Verde lidera o estado com 562,4 mil toneladas estocadas, seguido por Jataí, com 336,6 mil toneladas. Essa reserva estratégica garante o abastecimento do mercado interno e fortalece a posição do estado como um importante player no cenário nacional e internacional.

Sobre o LSPA

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é uma pesquisa mensal realizada pelo IBGE que tem como objetivo acompanhar o desempenho das principais culturas agrícolas do país, fornecendo informações estratégicas para o planejamento e tomada de decisões do setor produtivo e do governo. O levantamento abrange as áreas de produção, rendimento médio e produção total das culturas, além de dados sobre o estoque de grãos.

Os dados do LSPA evidenciam a importância do agronegócio para a economia goiana e reafirmam o papel do Estado como um dos pilares da produção agrícola nacional.

Agro goiano

O Estado de Goiás vem ganhando destaque no cenário nacional desde 2019. No setor agropecuário, são diversas ações inovadoras que impulsionam o Estado, como o Projeto de Fruticultura Irrigada do Vão do Paranã, no Nordeste Goiano, que fomenta a agricultura irrigada e promove o desenvolvimento socioeconômico e ambiental nas regiões de baixo IDH. O Governo também impulsiona o acesso dos produtores goianos ao Fundo Constitucional do Centro-Oeste, modalidade Rural (FCO Rural). Em 2023, a Câmara Deliberativa do Conselho de Desenvolvimento do Estado aprovou 782 cartas-consulta e autorizou R$ 1,138 bilhões em financiamentos. Em 2019, foram 362 cartas e R$ 811,9 milhões. O crescimento foi de 116% em número de cartas aprovadas e de 41,98% no volume de recursos autorizados.

Na área da inovação, o Governo de Goiás desenvolve o Programa Estadual de Bioinsumos, que investe na criação de biofábricas ligadas a instituições de ensino e pesquisa com o objetivo de tornar o estado o maior ecossistema de inovação em bioinsumos do Brasil.

Na produção agrícola, Goiás encerrou o ano de 2023 com crescimento em faturamento e volume de exportações. Ao todo, o setor arrecadou US$ 12,1 bilhões em vendas externas, com 21,9 milhões de toneladas exportadas durante o último ano. No acumulado de cinco anos, o faturamento do agro goiano com exportações mais que dobrou. O produto mais comercializado com outros países entre 2019 e 2023 foi a soja, que correspondeu a 62,5% de todo o faturamento do setor com as vendas externas

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários